Diferença entre adubo verde e culturas de cobertura


Por: Mary H. Dyer, escritora credenciada do Garden

O nome pode ser enganoso, mas o adubo verde não tem absolutamente nada a ver com cocô. Continue lendo para aprender mais sobre o uso de plantas de cobertura versus adubo verde.

O que são culturas de cobertura?

As culturas de cobertura são plantas cultivadas estritamente para melhorar a fertilidade e a estrutura do solo. As culturas de cobertura também fornecem isolamento que mantém o solo fresco no verão e quente no inverno.

O que são adubos verdes?

O adubo verde é criado quando as novas plantas de cobertura são incorporadas ao solo. Como as plantas de cobertura, o adubo verde aumenta o nível de nutrientes e matéria orgânica no solo.

Culturas de cobertura x adubo verde

Então, qual é a diferença entre adubo verde e plantas de cobertura? Embora os termos “cultura de cobertura” e “adubo verde” sejam freqüentemente usados ​​indistintamente, os dois são conceitos diferentes, mas relacionados. A diferença entre o adubo verde e as culturas de cobertura é que as culturas de cobertura são as plantas reais, enquanto o adubo verde é criado quando as plantas verdes são aradas no solo.

As culturas de cobertura são às vezes conhecidas como “culturas de adubo verde”. Eles são plantados para melhorar a estrutura do solo, suprimir o crescimento de ervas daninhas e proteger o solo da erosão causada pelo vento e pela água. As culturas de cobertura também atraem insetos benéficos para o jardim, reduzindo assim a necessidade de pesticidas químicos.

O adubo verde oferece benefícios semelhantes. Como as culturas de cobertura, o adubo verde melhora a estrutura do solo e libera nutrientes importantes de volta ao solo. Além disso, a matéria orgânica fornece um ambiente saudável para minhocas e organismos benéficos do solo.

Cultivo de culturas de cobertura e adubos verdes

A maioria dos jardineiros domésticos não tem espaço para dedicar uma estação de cultivo inteira a uma cultura de cobertura. Por essa razão, as safras de cobertura são geralmente plantadas no final do verão ou no outono, e então o adubo verde é lavrado no solo pelo menos duas semanas antes do jardim ser plantado na primavera. Algumas plantas, que se propagam de novo prolificamente e se tornam ervas daninhas, devem ser trabalhadas no solo antes de darem semente.

As plantas adequadas para plantar no jardim incluem ervilhas ou outras leguminosas, que são plantadas na primavera ou no início do outono. As leguminosas são uma cultura de cobertura valiosa porque fixam nitrogênio no solo. Rabanetes são uma cultura de cobertura de crescimento rápido plantada no outono. Aveia, trigo de inverno, ervilhaca peluda e azevém também são plantados no final do verão ou início do outono.

Para plantar uma safra de cobertura, trabalhe o solo com um garfo ou ancinho de jardim e espalhe as sementes uniformemente sobre a superfície do solo. Rake as sementes no topo do solo para garantir que as sementes efetivamente entrem em contato com o solo. Regue as sementes levemente. Certifique-se de plantar as sementes pelo menos quatro semanas antes da primeira data de geada prevista.

Este artigo foi atualizado pela última vez em

Leia mais sobre as culturas de cobertura


Culturas de cobertura e adubos verdes

As culturas de cobertura são cultivadas para proteger e / ou enriquecer o solo, e não para obter ganhos econômicos de curto prazo. Quando transformada no solo, uma cultura de cobertura é chamada de adubo verde, portanto, os termos são razoavelmente intercambiáveis.

Quando uma safra comercial não está crescendo, é aconselhável semear algo para proteger o solo da erosão do vento e da água, daí o termo cultura de cobertura. Também é aconselhável “descansar” seus campos ocasionalmente alternando a produção de safras comerciais, enquanto, ao mesmo tempo, cultiva algo para melhorar a fertilidade do solo, daí o termo adubo verde. Algumas safras de adubo verde também podem suprimir as ervas daninhas, “sufocando-as” e deixando-as sem luz. Use altas taxas de semeadura se as plantas de cobertura forem cultivadas para a supressão de ervas daninhas.

Dependendo de suas necessidades de cultivo, as safras de cobertura podem ser semeadas após a colheita de vegetais, entre uma safra de primavera e outono ou por meio da semeadura em uma pequena safra de frutas em pé após o cultivo final.

Ao selecionar uma cultura de adubo verde, considere o seguinte: custo da semente, resistência no inverno (se aplicável), capacidade de fixar nitrogênio, suprimir ervas daninhas e adequação às condições do solo, equipamento de preparo do solo e a safra a seguir. Aqui está uma lista de algumas culturas de cobertura comuns na Nova Inglaterra e uma descrição de seus usos.

Tabela 5. Razões típicas de carbono para nitrogênio.
Material Relação Carbono: Nitrogênio
Feno de leguminosa 15-19:1
Feno não leguminoso 24-41:1
Talos de milho 42:1
Palha de aveia 70:1
Palha de centeio 82:1
Estrume de vaca 18:1
Composto acabado 17-20:1
Solos agrícolas 8-14:1
Serragem de madeira dura 500:1

Leguminosas

Semeie quando o nitrogênio “livre” for desejado para uma safra comercial subsequente com uma alta demanda de nitrogênio. As leguminosas geralmente requerem boa drenagem e fertilidade. A maioria cresce lentamente no início, de modo que não compete muito com as ervas daninhas até que estejam bem estabelecidas. Perfure a semente para obter os melhores suportes. Misture a semente com o inoculante adequado para garantir a nodulação. Frequentemente semeado com uma cultura nutritiva, como aveia, ou em mistura com gramíneas perenes. Quando as leguminosas são cortadas, os insetos das plantas manchadas podem ser direcionados para as plantações adjacentes, como morangos ou framboesas, aumentando a probabilidade de danos.

Trevo vermelho é uma planta perene de vida curta que é um tanto tolerante a solos ácidos ou mal drenados. O trevo vermelho mamute produz mais biomassa para arar do que o trevo vermelho médio, mas não volta a crescer tão bem após o corte. O mamute geralmente se estabelece melhor do que o meio em solos secos ou ácidos. Semeie no início da primavera ou no final do verão.

Trevo branco é uma planta perene de baixo crescimento, tolerante à sombra e solo ligeiramente ácido. Os tipos ladinos são mais altos que os holandeses ou selvagens. O trevo branco é um competidor fraco com ervas daninhas, a menos que seja ceifado. Adequado para uso em passeios ou vielas. Semente cara.

Trevo doce é uma bienal (exceto para tipos anuais como Hubam) que é profundamente enraizada e adaptada a uma ampla variedade de solos. É uma boa cultura para melhorar o solo, com uma forte raiz principal que abre o subsolo. O trevo doce amarelo amadurece mais cedo e é um pouco menos produtivo do que o trevo doce branco. Semeie no início da primavera ou no final do verão em 15 a 20 lb / acre. O crescimento pesado é produzido na primavera após a hibernação. Incorpore no final da primavera ou meados do verão na floração. Pode esgotar a umidade do solo, o que pode ser um problema para as safras subsequentes em anos de seca.

Ervilhaca peluda tornou-se cada vez mais popular como cultura de cobertura. Ele pode fixar grandes quantidades de nitrogênio. Geralmente, esta cultura de cobertura é semeada no outono após 15 de agosto ou antes de meados de setembro na maioria das áreas. Deve-se permitir que cresça pelo menos até meados de maio antes de ser arado. É aconselhável semear centeio de inverno (30-40 lbs / acre) ou aveia (40-50 lbs / acre) com a ervilhaca quando semeado no outono para absorver o nitrogênio não utilizado e para garantir uma boa cobertura do solo para o controle da erosão. A maioria dos produtores prefere aveia ao centeio de inverno porque a aveia não hiberna e a ervilhaca sozinha é mais fácil de manejar na primavera seguinte. A ervilhaca peluda também pode ser semeada no início da primavera ou no verão. Quando semeado no início de abril, produzirá nitrogênio significativo a tempo de uma semeadura tardia de milho doce ou brássica. Quando semeado no verão, geralmente matará no inverno e na primavera seguinte o nitrogênio estará disponível para uma colheita inicial. Trate a semente com um inoculante do tipo ervilha.

Alfafa requer solo profundo e bem drenado com um pH quase neutro para um bom crescimento. É uma planta perene de longa duração que provavelmente não vale o gasto em uma rotação de curto prazo. Repara grandes quantidades de nitrogênio se mantido por vários anos. Semeie no início da primavera ou no final do verão em 15 a 25 lb / acre.

Nonlegumes

Eles são selecionados quando a contribuição de nitrogênio para o solo não é uma prioridade. Eles tendem a crescer mais rapidamente e, portanto, são melhores na supressão de ervas daninhas de curto prazo do que as leguminosas. As gramíneas do final da estação são úteis para recuperar o nitrogênio restante após a colheita das safras.

Winter Rye é uma cultura de cobertura comum no inverno, semeada após as safras comerciais serem colhidas no outono. É muito resistente, adaptado a uma ampla gama de condições e a semente é barata. A última safra de cobertura semeada, produz muita biomassa na primavera. Isso adiciona matéria orgânica ao solo, mas pode ser difícil de incorporar antes do plantio.

Aveia são usados ​​como uma cultura de cobertura de inverno para proteger o solo sem requerer manejo intensivo na primavera, porque são mortos pela geada. A incorporação superficial de resíduos ainda pode ser necessária antes do plantio da safra. É necessário crescimento suficiente antes da primeira geada para proteger adequadamente o solo, então plante no final de agosto, a uma taxa de cerca de 100 lb / acre. Resíduos de aveia deixados na superfície do solo podem suprimir quimicamente o crescimento de ervas daninhas e agir como uma barreira física. A aveia também é uma boa cultura de cobertura para plantar em qualquer época durante a primavera ou verão, quando a terra está fora de produção. Ao contrário do centeio de inverno, a aveia cresce vigorosamente e em pé quando semeada na primavera ou verão e compete efetivamente com as ervas daninhas. Pode crescer em solos com baixo pH (5,5).

Azevém é uma planta de cobertura de baixo crescimento que produz um extenso sistema de raízes, bom para capturar o nitrogênio restante. É bem adequado para sub-semeadura, após o último cultivo de uma safra comercial, a fim de estabelecer uma cobertura de inverno antes da colheita. O azevém anual é menos caro do que o azevém perene e tem maior probabilidade de matar no inverno; no entanto, pode hibernar em áreas mais amenas, e o azevém perene pode matar no inverno em zonas mais severas. Essas plantações formam um gramado denso que reduz a erosão.

Sudangrass e Sorghum-sudangrass (Sudex) são culturas de rápido crescimento e de estação quente que requerem boa fertilidade e umidade para um bom desempenho. Sob tais condições, seu crescimento alto e rançoso fornece excelente supressão de ervas daninhas. Esse crescimento pesado pode ser difícil de cortar e incorporar. Devido ao seu hábito de crescimento, a grama sudão deve ser cortada quando o crescimento ultrapassar 20-25 polegadas ou arada se um segundo crescimento não for desejado.

Trigo sarraceno é um verão anual de rápido crescimento que pode ser usado para proteger o solo e suprimir as ervas daninhas por um ou dois meses entre as safras comerciais da primavera e do outono. Ela cresce muito bem em solos ácidos e com baixo teor de fósforo. Ele se decompõe rapidamente e é fácil de incorporar, mas não contribui com muita matéria orgânica para o solo. Corte ou incorpore na floração, antes de colocar a semente, para que não se torne uma erva daninha nas colheitas subsequentes. Cresce bem em baixo pH do solo. Para sufocar os campos cheios de ervas daninhas, alguns produtores plantam duas safras sucessivas de trigo sarraceno, seguidas de centeio de inverno. Não permita que o trigo sarraceno se transforme em sementes antes de ser arado.

Brome de campo anual: Grama anual de inverno. Estabelece-se rapidamente e possui extenso sistema de raízes fibrosas contribuindo com matéria orgânica para o solo. Arar na primavera. A semente não está prontamente disponível, então planeje com antecedência.

Painço Japonês: Grama anual de verão. De crescimento rápido e compete bem com ervas daninhas. Estabelece-se mais rápido do que a grama sudão em solos frios. Pode ser cortado e regenerado após atingir 20 polegadas. Pode atingir 4 pés em 7 a 8 semanas. Não deixe amadurecer e deixar cair a semente.

Mostardas: Isso inclui mostarda branca ou amarela (Sinapis alba), mostarda marrom ou indiana (Brassica juncea) e mostarda preta (B. nigra L.). As mostardas produzem glucosinolatos, compostos que possuem ampla atividade contra bactérias, fungos, insetos, nematóides e sementes de ervas daninhas. As mostardas são frequentemente consideradas “biofumigantes” e conseguiram tirar proveito destes efeitos cortando e incorporando no solo imediatamente a seguir.

Misturas

Leguminosas e gramíneas são freqüentemente misturadas como culturas de cobertura para evitar a falha de uma e para obter alguns dos benefícios de ambas. A grama geralmente se estabelece rapidamente, mantendo o solo no lugar e “cuidando” da leguminosa. Ao tomar o N disponível no solo, a grama promove a fixação de N pela leguminosa. A fertilização com N ou a ausência de roçada favorece o crescimento de gramíneas sobre leguminosas. Algumas misturas comuns, além da ervilhaca e do centeio descritas acima, são o trevo vermelho e a aveia (combinar ou cortar as cabeças da aveia, deixando o trevo estabelecido) azevém e trevo branco para os becos ceifados. O Timóteo é frequentemente usado como cultivo de alfafa para amamentar. É aconselhável testar culturas de cobertura desconhecidas ou misturas em pequena escala para determinar se elas são adequadas ao seu clima e recursos de manejo antes de cultivá-las amplamente.

Observação: O N fixado nos nódulos da raiz move-se para as folhas e caules das leguminosas. Se o feno for colhido do campo antes da aração, muito pouco N será contribuído para a colheita subsequente.


Plante um adubo verde ou uma colheita de cobertura neste outono

Por Chris McLaughlin
  • A fava é um excelente adubo verde. Foto de noaha sob a Creative Commons Attribution License 2.0.
  • Uma cultura de cobertura / adubo verde de ervilhaca e trevo carmesim. Foto de face voltada para cima sob a Creative Commons Attribution License 2.0.
  • A mostarda oferece proteção contra a murcha de verticílio e nematóides. Foto de Carol Mitchell sob a Creative Commonms Attribution License 2.0.

Parece cocô de cavalo diretamente da fonte, certo? Eu prometo que não. Esses dois termos têm significados apenas ligeiramente diferentes e podem funcionar para você de várias maneiras. Quando alguém está plantando um "adubo verde", está plantando uma safra em um canteiro de jardim enquanto os vegetais normais estão em hiato. O adubo verde é uma cultura específica que é semeada nos canteiros e depois revolvida enquanto ainda estão verdes. Eles adicionam nutrientes (predominantemente nitrogênio) de volta ao solo que a safra anterior usou, aumentando a fertilidade do solo para os vegetais da próxima temporada.

Quando uma cultura de cobertura é plantada, muitas vezes, o primeiro pensamento aqui é controlar a erosão durante os meses de inverno, para fornecer controle de ervas daninhas, bem como para enriquecer o solo. Dito isso, os dois tipos de plantas podem realizar todas essas tarefas - embora algumas funcionem melhor para uma coisa ou outra. Na verdade, ambos os termos são frequentemente usados ​​de forma intercambiável.

Os solos dos canteiros ficam sem nitrogênio e matéria orgânica necessários para o cultivo de safras bem-sucedidas durante a próxima estação de plantio. Isso é especialmente verdadeiro para culturas como o milho - que são muito pesadas. Não quero desencorajá-lo a plantar um jardim de outono, mas se você gostaria de dar um descanso a um canteiro (ou dois), este outono é o momento perfeito para plantar uma safra de cobertura.

Depois que suas safras de verão forem colhidas, você pode literalmente plantar produtos nutritivos de volta no canteiro do jardim e melhorar o solo. Quando você planta adubos verdes no outono, eles agem como uma cultura de cobertura e mantêm o solo no canteiro onde você quiser. Também sufoca e remove as ervas daninhas do início da primavera. Minha percepção de plantações de cobertura e adubos verdes é que eles estão alinhados com caixas de compostagem, vermicompostagem, reciclagem de grama e até mesmo cobertura morta - todos eles são uma forma de compostagem. Em outras palavras, o objetivo é transformar os recursos naturais de volta na natureza. Isso nunca pode ser nada além de uma coisa boa - não deixe ninguém te dizer diferente.

Adubos verdes geralmente se enquadram em duas categorias de leguminosas e tudo mais - que geralmente é do tipo de grão. Grãos como centeio de inverno, colza, trigo e aveia funcionam basicamente como culturas de cobertura para o controle da erosão e supressão básica de ervas daninhas. Além disso, quando se decompõem, adicionam matéria orgânica ao solo. Todas as coisas boas. As leguminosas são as que darão ao solo o aumento de nitrogênio. Estes seriam favas, ervilhas, alfafa, ervilhaca e trevo carmesim. A mostarda é frequentemente cultivada como adubo verde devido às suas propriedades protetoras contra nematóides e murcha de verticílio.

A ideia aqui é escolher qualquer cultura de cobertura que lhe agrade. Você pode ter razões perfeitamente maravilhosas para sua escolha de cultura de cobertura: é a certa para a estação, fornece cobertura rapidamente, produz uma quantidade excessiva de nitrogênio ou lembra a você da primeira vez que chegou à primeira base - seja o que for. Então você tem sua semente de escolha e você espalha esses filhotes por toda a cama. Se você estava pensando no futuro, estará plantando as sementes em um dia chuvoso, mas estou divagando.

Deixe esses meninos maus crescerem durante todo o inverno e no início da primavera, cerca de 3-4 semanas antes de colocar seus vegetais no jardim, até que eles caiam. Quando digo "até", não estou falando sobre alugar uma máquina desajeitada, estou falando sobre chegar lá com uma pá e revirar aquele material sob o solo. Se você conseguir que um tipo masculino o modifique, isso o liberará para a criação de Mojitos - basta dizer. Quando os legumes morrem, eles liberam uma grande quantidade de nitrogênio, que é como um café com leite triplo para seus vegetais.

Falando em coisas boas, outra coisa que adoro nessa técnica é que ela é barata. Você vai querer esperar cerca de 4 meses para que este processo veja o seu caminho. Sem trapaças ou não vai funcionar da maneira que você gostaria e você ficará sabendo dos editores da Vegetable Gardener.com sobre o hack que eles contrataram para escrever sobre o brilhantismo da jardinagem.

Uma última coisa. Haverá alguns jardineiros enlouquecidos porque me atrevi a mencionar que revolvi o solo no início da primavera, quando poderia estar * ofegante * realmente úmido. Bom, é verdade. Nós, jardineiros, somos perspicazes em tocar em nosso doce solo enquanto ainda não é viável ou "molhado", porque pode atrapalhar a sujeira e tudo mais. A única coisa que você pode fazer é tentar mudá-lo em um dia em que o solo esteja quase viável, mas não tão tarde que sua casa esteja sendo ocupada por mudas de vegetais de mais de um metro apenas mastigando o vaso de turfa para entrar no chão.


SÉRIE 28 - Episódio 13

Se seu solo está parecendo cansado e degradado, o cultivo de adubo verde o devolverá seu va-va-voom!

O adubo verde se refere a plantações que são cultivadas especificamente para serem escavadas de volta no solo para adicionar nutrientes de volta ao solo. O adubo verde pode remediar o solo que foi plantado com safras exigentes, como brássicas, ou preparar o solo para safras famintas, como o milho. Também melhora a estrutura do solo, a retenção de água e extrai os minerais através do perfil do solo, tornando-os mais disponíveis para as plantas.

O que plantar para uma safra de adubo verde

  • Você pode usar qualquer semente que germinará na época do ano que você está plantando. Você também pode comprar misturas de adubo verde em viveiros.
  • As misturas de adubo verde que contêm aveia são ótimas para superlotar as ervas daninhas que podem germinar no canteiro de seu jardim. As raízes fibrosas também são boas para quebrar o solo.
  • As misturas de adubo verde que contêm leguminosas (como ervilhas e feijões) fixam o nitrogênio.
  • As plantas de mostarda são ótimos fumigadores de solo! Eles podem ajudar a prevenir coisas como nematóides das galhas e patógenos fúngicos.

Plantando uma safra de adubo verde

  1. Afrouxe o solo com um garfo para quebrar quaisquer torrões
  2. Espalhe generosamente a semente de adubo verde para obter uma cobertura espessa na cama
  3. Rake para cobrir as sementes ou poeira com composto para desencorajar os pássaros de comê-lo
  4. Água no poço
  5. Em cerca de 6 semanas, a cultura deve estar pronta para ser cortada e escavada

  • Corte a colheita de adubo verde antes que comece a florir, caso contrário, começará a usar nutrientes do solo
  • Cave as leguminosas antes que elas formem um caule lenhoso, pois demoram muito para se decompor.
  • Cerca de uma semana depois de cavar a safra de adubo verde, cave uma segunda vez e uma ou duas semanas depois disso, o solo deve estar pronto para plantar sua safra vegetal.


Levante-se e cresça: as culturas de cobertura são 'adubo verde' para o seu jardim

As culturas de cobertura podem beneficiar o solo. (Foto: Foto cedida por Minnetrista)

Se você é um pequeno jardineiro ou um agricultor em grande escala cultivando plantas de cobertura como milho e soja, pode beneficiar você e seu solo. As culturas de cobertura são chamadas de “adubo verde” porque fornecem muitos nutrientes ao solo, assim como o esterco de galinha, vaca e cavalo.

Você pode selecionar uma mistura de sementes de plantas de cobertura com o objetivo principal de fixar os níveis de nitrogênio e potássio do solo. As culturas de cobertura ajudam a controlar o equilíbrio de nutrientes de que você precisa em seu solo. A melhor época para plantar no outono e inverno é em agosto e setembro e a melhor época para plantar na primavera é assim que o solo estiver pronto para ser trabalhado.

Existem três categorias de plantas de cobertura: gramíneas, brássicas e leguminosas. As culturas de cobertura de grama são mais resistentes ao clima frio e também podem ser colhidas para grãos. Essas safras incluem centeio, cevada, aveia e trigo. São bons protetores da erosão do solo e bons produtores de matéria orgânica.

Brássicas, como rabanetes e mostardas, são uma ótima cultura de cobertura, embora as temperaturas severas e frias possam matar as plantações nos estados do norte, onde os invernos são muito mais rigorosos. Nem todas as brássicas funcionam bem como culturas de cobertura. Mostardas e rabanetes ajudam significativamente a controlar as pragas por causa de seu odor pungente que é usado como defesa contra pragas e doenças.

As leguminosas são populares por suas propriedades de fixação de nitrogênio. Trevo, feijão, ervilha, alfafa, ervilhaca e lentilhas estão entre esta categoria de cultura de cobertura.

Existem muitos benefícios e razões para plantar culturas de cobertura. A prevenção da erosão é uma das principais razões para o cultivo de cobertura. Evitar superfícies de solo descobertas é importante. Terrenos expostos apresentam maior risco de erosão pelo escoamento da água ou vento. Os elementos da natureza removem o solo rico que sustenta o crescimento da planta. As culturas de cobertura servem como um cobertor para reduzir o impacto da água da chuva no solo e retarda seu movimento para evitar a erosão. O vento também não é capaz de transportar as partículas do solo.

Melhorar a estrutura do solo é outro benefício das plantas de cobertura. As raízes dessas culturas criam passagens e poros, espaços que permitem que a água goteje lentamente para o solo, preservando a estrutura. É também um bom ambiente para atividades de insetos e outros microorganismos.

As culturas de cobertura são uma ótima maneira de adicionar matéria orgânica. A matéria orgânica melhora os nutrientes do solo. Eles agem como uma cobertura vegetal natural e composto. Outro benefício do plantio de safras de cobertura é a eliminação de ervas daninhas. Todos nós conhecemos as batalhas da jardinagem e do mato. As plantas de cobertura formam uma cobertura de sombra eficaz que impede a fotossíntese e o crescimento das ervas daninhas.

O corte da cobertura é uma forma eficaz de conservar a umidade. A cobertura protege o solo e reduz a taxa de evaporação do solo. As culturas de cobertura podem enviar uma raiz profunda que traz a umidade das profundezas do solo.

A biodiversidade é um benefício adicional para cobrir as lavouras. Melhorar a biodiversidade de um jardim ou fazenda pode melhorar o ambiente dentro e ao redor de uma plantação. Essas melhorias podem criar habitat para insetos benéficos que podem ajudar a manter as populações de pragas e servir como polinizadores, aumentando a produtividade e ajudando na propagação das plantas.

Enquanto você se prepara para a estação mais fria, o cultivo de cobertura é uma boa maneira de manter o solo fértil e estável.


Compostagem de adubos verdes

Em algumas circunstâncias, é possível cortar e compostar uma safra de adubo verde para aplicação em outra parte da fazenda.

Um exemplo disso seria pegar e compostar um corte de uma safra de trevo vermelho puro ou trevo vermelho / azevém italiano, talvez com a adição de palha à mistura. O crescimento posterior não seria cortado, mas regularmente coberto e coberto de volta ao solo, tomando cuidado para não sufocar o trevo e o azevém.

Alimentando adubos verdes

Adubos verdes geralmente não são alimentados, mas há possibilidades de utilizar aves ou outros adubos orgânicos para aumentar a fertilidade sem que o esterco seja usado ao mesmo tempo em que uma lavoura para consumo humano está sendo cultivada.
Um curativo leve é ​​tudo o que deve ser usado com adubos verdes leguminosos, mas uma taxa mais alta poderia ser aplicada para alimentar um não leguminoso, como rabanete forrageiro.

Adubos verdes para controle de ervas daninhas

Culturas de adubo verde são uma ferramenta eficaz para controlar ervas daninhas.

Um adubo verde de crescimento rápido e de curto prazo entre as lavouras sufocará as mudas de ervas daninhas e os cultivos necessários para incorporar o adubo verde reduzirão ainda mais a carga de ervas daninhas.

Isso pode ser levado um estágio adiante semeando colheitas adequadas com um adubo verde como o trevo de folhas pequenas Kent Wild White, que sufoca as ervas daninhas, fixa o nitrogênio para as colheitas seguintes e protege a superfície do solo.

Um adubo verde bem estabelecido durante o inverno sufocará as mudas de ervas daninhas e algumas, principalmente o centeio em pastagem, impedirá a germinação das sementes de ervas daninhas à medida que se decompõem após a incorporação ao solo.

Adubos verdes como plantações de cobertura de inverno

Depois que uma safra foi removida, o solo nu fica vulnerável a danos em sua superfície e estrutura pelas chuvas, especialmente durante o inverno. Um adubo verde semeado no outono protegerá a superfície do solo.

Além disso, os nutrientes ainda disponíveis para o crescimento das plantas podem ser lixiviados do solo e perdidos em cursos de água, onde podem causar poluição. Além de atuar como uma cultura de cobertura, uma cultura de adubo verde resistente irá enxugar os nutrientes solúveis e retê-los para liberação quando o adubo verde for incorporado na primavera.

Cultivo e pastejo de adubos verdes

Em alguns casos, é possível tirar uma safra de um adubo verde ou pastá-la com o gado por um tempo. Os exemplos incluem a colheita de feijão, guardar uma colheita de feno, pastar o trevo vermelho ou fazer silagem a partir de uma mistura de cereais / leguminosas.

Embora isso possa inicialmente parecer atraente e fornecer uma saída do adubo verde, deve-se lembrar que o cultivo e o pastoreio removem nutrientes e matéria orgânica do campo que não são necessariamente devolvidos ao solo até mais tarde.

O benefício do adubo verde é, portanto, apenas parcial e as consequências para a safra seguinte e a rotação como um todo devem ser consideradas com muito cuidado.

Tipos de cultivo de adubo verde

Os adubos verdes são essencialmente de dois tipos:

Legumes (família do trevo)

As leguminosas se desenvolvem em suas raízes (em associação com bactérias especiais) nódulos que têm a capacidade de tirar o nitrogênio do ar e convertê-lo (fixá-lo) em uma forma que a planta possa usar. Isso pode então ser utilizado por lavouras cultivadas depois que a leguminosa foi arada e incorporada ao solo.

Não leguminosas

As não leguminosas não fixam nitrogênio, mas podem fornecer quantidades úteis de matéria orgânica e reter nutrientes que, de outra forma, poderiam ser lixiviados.
Alguns adubos verdes não leguminosos têm um crescimento muito rápido e podem ser incorporados em lacunas na produção durante a estação de crescimento.

Adubos verdes adequados para a Irlanda do Norte e seus usos
Uma ampla variedade de adubos verdes está disponível, mas alguns são menos prováveis ​​de serem bem-sucedidos na Irlanda do Norte devido a fatores climáticos e de solo.

À base de leguminosas
Colheita ou mistura Problemas típicos
trevo vermelho Médio prazo em rotação vegetal
Trevo vermelho / azevém italiano 2 anos na rotação de vegetais ou durante a retirada ou para compostagem
Trevo semelhante Médio prazo - tolera solos úmidos e ácidos
trevo branco Rebaixamento em vegetais e politúneis -
por exemplo, variedade Kent Wild Wh
Feijão Outono semeado - inverno - primavera incorporada
Ervilhaca (joio) Médio ou longo prazo (hibernação) - sufoca as ervas daninhas
Ervilhas / aveia / ervilhaca Médio prazo - volumoso - pode ser compostado
Tremoços Semeado no final da primavera - incorporado antes do plantio de outono - tolera solos ácidos - produz muito nitrogênio
À base de não leguminosas
Colheita ou mistura Problemas típicos
Centeio pastando Centeio em pastagem Outono semeado - volumoso - constrói a estrutura do solo
Mostarda * Semeado no final da primavera - safra de captura de curto prazo
Rabanete forrageiro * Outono semeado - invernou
Girassol Semeado no final da primavera - incorporado antes do plantio de outono
Trigo sarraceno Curto prazo durante o verão

* Cuidado com a transmissão da raiz torta


Culturas de cobertura vs. adubo verde - Cultivo de culturas de cobertura e adubos verdes - jardim

Culturas de cobertura e adubos verdes são cultivados principalmente por outras razões que não o ganho econômico de curto prazo. Em outras palavras, eles não são produzidos para venda, mas sim pelos benefícios que proporcionam à produção de safras comerciais subsequentes. As culturas de cobertura são assim chamadas porque protegem o solo nu contra a erosão. Os adubos verdes melhoram a fertilidade do solo. Como uma cultura de cobertura é inevitavelmente adicionada ao solo, ela se torna um adubo verde, de modo que os termos são razoavelmente intercambiáveis.

Os benefícios potenciais das plantas de cobertura são numerosos:

  1. Reduzir o impacto do vento e da água que passa sobre a superfície do solo pode reduzir a erosão.
  2. Adicionar matéria orgânica ao solo melhora sua condição física ou estrutura.
  3. Competir por luz, água e nutrientes pode suprimir ervas daninhas.
  4. As culturas de leguminosas adicionam nitrogênio fixado simbioticamente "livre" ao sistema de cultivo.
  5. As safras que crescem no final da temporada podem capturar e "reciclar" os nutrientes solúveis que, de outra forma, seriam perdidos.
  6. Fornecer diversidade ao sistema de cultivo pode criar habitats para insetos benéficos.

Uma vez que o plantio de uma única cultura de cobertura não pode efetivamente fornecer todos os benefícios potenciais listados acima, o produtor deve priorizar os benefícios desejados antes de decidir o que plantar. Por exemplo, apenas as culturas de cobertura de leguminosas fornecerão nitrogênio gratuito, mas não são muito competitivas com as ervas daninhas. Para o campo em questão, quais são as necessidades de nitrogênio para a safra subsequente e qual é a pressão das ervas daninhas? A identificação de uma prioridade de cultivo de cobertura, combinada com uma estratégia de cultivo de cobertura que se encaixa em um plano de rotação com culturas de rendimento, restringirá muito as opções de possíveis espécies de cultivo de cobertura. Além disso, outros fatores a serem considerados incluem: custo da semente, resistência no inverno (se aplicável) e adequação às condições do solo, equipamento de preparo do solo e a safra seguinte.

As estratégias de cultura de cobertura referem-se a como a cultura de cobertura se encaixa em um plano de rotação de cultura. Existem 4 estratégias gerais para o uso de plantas de cobertura:

  1. Culturas em pousio que exigem a retirada de terras da produção de safras comerciais durante toda ou parte de uma estação.
  2. Culturas de cobertura de inverno que são semeadas no final do verão ou outono e permanecem no local até a primavera.
  3. Sufoque as safras que são cultivadas durante uma janela de primavera, verão ou outono entre as safras comerciais.
  4. Culturas de cobertura entrecruzadas que podem permanecer no local por períodos variáveis ​​de tempo.

Um objetivo fundamental do cultivo de cobertura é evitar o solo nu entre as plantações de culturas comerciais. Isso não apenas protege o solo, mas captura a luz solar e produz biomassa que melhora a qualidade do solo. Vários benefícios colaterais advêm dessa abordagem também, como melhor trafegabilidade dos campos e compactação reduzida, aprimoramento da estética e potencial para a produção de ração animal.

As culturas de cobertura de pousio fornecem o melhor benefício de rotação em termos de descanso da terra do cultivo, evitando famílias de culturas que podem hospedar doenças vegetais e adicionando biomassa ao solo para ajudar a manter sua estrutura e o suprimento de carbono orgânico e nitrogênio. No entanto, as safras de pousio podem ser as mais caras em termos de perda de produção porque são cultivadas no lugar de uma safra comercial. O custo da terra, a pressão para cultivar sua terra e a necessidade de terras de descanso devem ser considerados ao decidir se a cultura de cobertura em pousio deve ser cultivada.

Certamente, uma cobertura de pousio intencional é muito melhor do que deixar as ervas daninhas assumirem o controle e / ou deixar parte do solo exposto à erosão. Os pousios podem ser realizados com um ciclo de um ano de plantio e incorporação de safras de cobertura, como ervilha-trigo-sarraceno-centeio de inverno, ou uma única semeadura, como trevo vermelho mais uma grama anual como aveia ou uma grama perene como grama de pomar, que pode ser deixado no local por um ou dois anos.

As lavouras de cobertura de inverno são geralmente semeadas após a colheita da safra comercial e os resíduos são arados ou desdobrados. A escolha mais popular para uma safra de cobertura de inverno após as safras de vegetais é o centeio de inverno porque pode aumentar o crescimento vegetativo desde que a temperatura esteja acima de 38 graus F. A aveia ou outros grãos pequenos também podem ser semeados tarde, embora não possam se comparar à capacidade do centeio de crescer em climas frios. These grasses are good at mopping-up available nitrogen that may be left over from fertilizer, manure applications, or mineralization of soil organic matter. Besides ability to grow at low temperatures, ability to overwinter is a major consideration. Rye will reliably grow the following spring, while oats will reliably winter-kill in most of New England. There are advantages and drawbacks to either scenario, the main issue being the amount of residue that will have t be dealt with come spring.

Interseeding, or undersowing a cover crop into a standing cash crop, is a way get a jump on the traditional winter cover crop season. This can lead to an increase in cover crop biomass production, and presumably, better erosion control and soil organic matter enhancement because the cover crop is in place longer. Earlier establishment also increases your choices of cover crops compared to waiting to sow a cover crop until after a full-season vegetable crop.

In the case of a very late vegetable harvest, or just not getting around to the job, it may even be too late for winter rye to put on enough growth to protect the soil over winter. That's where interseeding can be an advantage by assuring that some winter protection gets established and the soil is not left bare.

To successfully interseed cover crops, the timing of the two crops must be right. Sowing must be delayed enough to minimize competition with the vegetable crop, but early enough so the cover crop can survive competition with the vegetable and then withstand the harvest traffic.
The best timing depends on the vegetable - cover crop combination, and of course your location. On your own farm, it's important to start small as you experiment with a new cropping system.

Small, slow-growing vegetable crops are poor candidates for interseeding. Carrots, onions and the like will suffer from the competition. Vigorous vegetables, like winter squash and sweet corn, are much more suitable. Interseeding requires good soil-seed contact, sufficient irrigation or rainfall, and decent weed control early in the season so that the cover crop has a chance to establish well. Right after last cultivation is a good time to interseed a cover crop - there's a nice seed bed for the cover crop, weeds have just been beaten back, and the vegetable canopy is not yet fully closed, so there's still some light available to help get the cover crop going.

With a crop like winter squash, interseeded cover crops should be sown just before the vines were starting to run, after cultivation has left a clean swath of soil between the crop rows. Since this would be early in the summer, the timing isn't right for winter rye, oats, or other crops that will get too tall by harvest. Low-growing red clover, perennial ryegrass or annual ryegrass would be better choices. High seeding rates will help assure establishment.

With crops like peppers, tomatoes, cabbage or kale, last cultivation usually occurs in August, depending on spacing and cultural practices (like staking). By mid- to late-August, the option is open to sow winter cover crops like hairy vetch and rye, rye alone, or oats. These can be broadcast into the crop mechanically or hand-scattered in the rows. Some growers have fabricated custom-seeders for dropping seed between rows and cultipacking the soil.

A concern with interseeding is the possibility of disease enhancement, since crop residues are not plowed under at the end of the growing season. Hence, interseedings are not advisable if there are serious disease problems in the crop. It would then be better to disk the field and try an get winter rye on. Another concern is yield reductions due to competition. In dry years, this could really be a problem. Interseedings are pretty risky unless irrigation is available.

Some growers have tried interseeding with crops like cabbage and found that the broadcast seeds get caught in the leaves, sprout, and make a mess. Hank Bissell of Starksboro, Vermont has found an innovative way to overcome this. He set up his crew with 5 gallon buckets of cover crop seed, and they race down the rows hand-broadcasting seed under the leaves of the crucifers. In smaller fields, it doesn't take that long. Innovative interseeders, unite!

Smother crops are grown to suppress weeds. Because they must put on a lot of growth rapidly to do the job, they also tend to be good producers of organic residues that can help maintain soil organic matter levels. Smother crop species must be timed to the season in which they make most rapid growth - and as such can be divided into cool season or warm season crops. Weather conditions and cultural practices that encourage good stands and rapid early growth of smother crops are essential if they are to get a jump on weeds and effectively out-compete them.

Traditionally, smother crops are warm season summer crops that grow when weeds, especially broadleaf species, are also most plentiful. Summer is also the time when the stored food reserves of perennial weeds are lowest, making them most susceptible to suppression by shading. Summer smother species include buckwheat, Japanese millet, and sorghum Sudan-grass. These crops require soil to be fully warmed in order to establish well.

Cool season crops like oats, rye, vetch, or combinations can also smother weeds, besides protecting and improving soil. The key is quick and thick establishment, which is obtained with proper timing, seeding method that distribute seed evenly and cover it properly, and high seeding rates. Cool season smother crops may be die back as temperatures rise and thus be ineffective at smothering warmer-season broadleaf weeds, but if enough residue remains the "dead mulch" can sometimes provide good weed control.

Certified seed may increase the cost of cover cropping, but the investment is often worthwhile. Uncertified seed is more likely to be variable in performance and to contain noxious weed seeds that may be a problem for years to come.

Cover crop species fit into 4 main categories: grasses, other non-legumes, legumes, and mixtures.

Grasses are generally selected when nitrogen contribution to the soil is not a priority. They tend to grow rapidly and thus are better at short-term weed suppression than are legumes, which establish slowly.

Winter Rye is a common winter cover crop, sown after cash crops are harvested in the fall. It is very hardy, adapted to a wide range of conditions, and seed is inexpensive. The latest-sown cover crop, it can be planted from late summer to mid-October in most areas. Rye produces a lot of biomass in the spring. This helps maintain soil organic matter levels, but rank growth can be difficult to incorporate. Partial incorporation may leave rye as a weed. Sow 2 bu/acre (112 lb).

Oats as a winter cover crop can protect the soil without requiring intensive management in the spring, because they are frost-killed. Shallow incorporation of residues may still be necessary before crop planting. Enough growth is needed before first frost to adequately protect the soil, so plant by late August, at a rate of about 100 lb/acre. Oat residues left on the soil surface may chemically suppress weed growth, in addition to acting as a physical barrier. Oats may also be used as a spring cover, usually in mixture with cool season legume(s) such as Canada field pea and/or hairy vetch.

Other small grains such winter wheat, barley, and triticale have been successfully used as winter and early spring cover crops. Some growers find them easier to incorporate than winter rye because they are less vigorous. All the small grains provide good rotation crops with vegetable since they tend not to be hosts of vegetable diseases. In addition, mature grain, can be combined off for a cash crop and the straw and stubble are an excellent soil conditioner.

Ryegrass is a cover crop that produces an extensive root system good at capturing left-over nitrogen late in the season after cash crops have been harvested. It is well-suited to undersowing, after last cultivation of a vigorous vegetable like sweet, squash, or many crucifers, in order to establish a winter cover prior to harvest. Annual, or Italian ryegrass is less expensive than perennial ryegrass, and is more likely to winter-kill however, it may overwinter in milder areas, and perennial ryegrass may winter-kill in harsher zones. These crops form a dense sod that reduces erosion. Sow from mid-summer to September at 30 to 40 lb/acre.

Sudangrass and sorghum-Sudangrass are fast-growing, warm season crops that require good fertility and moisture to perform well. Under such conditions, their tall, rank growth provides excellent weed suppression. Such heavy growth can be difficult to cut and incorporate. Mid-season mowing allows for regrowth before the crop winter-kills. Sow from late spring to late summer at 30-40 lb/acre.

Japanese millet is also a warm season crops that puts on rapid growth if planted after early June. Not as tall or coarse as sorghum-Sudangrass, it can be easier to incorporate come fall or the following spring, when a heavy disking of the dead stalks can sometimes be sufficient to prepare a seed bed. Seeding rates of 30-40 lb/acre are suggested.

Other non-legumes include buckwheat, and cruciferous cover crops.

Buckwheat is a fast-growing summer annual that can be used to protect the soil and suppress weeds in-between spring and fall cash crops. It has a reputation for growing well on acid and low phosphorus soils, but these traits are not common on vegetable farms. It decomposes rapidly, so is easy to incorporate, but does not contribute a lot of organic matter to the soil. Seed matures in 75 to 90 days, and the crop can be disked after re-seeding, mowed early and allowed to regrow, or incorporated at flowering, prior to setting seed. Sow in late spring to mid-summer at 60-70 lb/acre. To smother weedy fields, some growers plant a fallow cycle of two successive crops of buckwheat followed by winter rye.

Forage brassicas include the varieties of several species of mustard-family crops that have been developed primarily for animal feed, including rape, turnip, and oilseed radish. These cool-season crops may help break-up compacted soils or pans with their tap roots, and their value as a forage may provide a dual use. However, given their susceptibility to diseases and pests common to cruciferous vegetables, they are not ideal candidates for cover cropping in terms of a whole-farm crop rotation plan.

Legumes are sown when "free" nitrogen is desired for a subsequent cash crop with a high nitrogen demand. Legumes generally require good drainage and fertility. Most grow slowly at first so they do not compete much with weeds until well-established. Seed should be drilled for best stands, inoculation with the proper Rhizobium strain helps assure nodule formation and good nitrogen fixation.

Sowing with a nurse crop such as oats, or in mixes with perennial grasses is common. Beware that legumes provide good habitat for tarnished plant bug, a major pest of many vegetable and berries, and after mowing or plowing, these may move into cash crops.

Red Clover is short-lived perennial that is somewhat tolerant of soil acidity or poor drainage. Mammoth red clover produces more biomass for plow-down than medium red clover, but does not regrow as well after mowing. Mammoth will often establish better than medium in dry or acid soils. Sow in early spring or late summer. Can be undersown in mid-summer into corn, winter squash before it vines, and other crops if soil moisture is plentiful. Sow at 10-15 lb/acre.

White Clover is a low-growing perennial, tolerant of shade and slightly acid soil. Ladino types are taller than the white, wild white, or Dutch types, which are all terms for the low-growing strains. The clovers do not compete well with weeds unless mowed, in which case their ability to grow laterally and low to the ground gives them an advantage. Thus, they are suitable for use in mowed walkways or alleys. Seed tends to be expensive, although stands can last for many years, especially if mowed or grazed, since the lateral-growing stolons continue to root. Sow in spring or fall at 10-12 lb/acre.

Sweet clover is a biennial crop, except for the annual types called Hubam. It is deep-rooted and adapted to a wide range of soils and thus is a good soil-improving crop, as a provider of free N and "biological subsoiling". Yellow Sweet clover is earlier maturing and somewhat less productive than white Sweet clover. Sow in early spring or late summer at 15-20 lb/acre. Heavy growth is produced in spring after overwintering. The tall, lush growth may be difficult to incorporate without proper equipment. This should be done in late spring, or by mid-summer at flowering since growth will cease after that. Deep rooted crops may deplete soil of moisture, which can be a problem for subsequent crops in dry years.

Hairy vetch is becoming increasingly popular as a hardy, winter annual cover crop. It is adapted to many soil types, and when properly established, has performed well throughout the northeast To ensure winter survival, it must be sown in late August to early September in most areas. Sow at 30 to 40 lb/acre, or mix 25 to 30 lb/acre with 1 bu/acre of winter rye or oats. The combination is recommended to assure good soil cover over the winter, as vetch puts on little growth in the autumn. Using rye allows the vetch to climb in the spring, which can reduce matting and facilitate cutting before incorporation if desired. Close mowing at flowering will also kill the vetch and leave a weed-smothering residue. Vetch can be spring-planted and used as a fallow, as it will provide good cover through late summer. Use "pea" type inoculant.

Alfalfa requires deep, well-drained soil with a pH near neutral for good growth. It is a long-lived perennial that is probably not worth the expense in a short-term rotation. Fixes large amounts of nitrogen if maintained for several years. Seed early spring or late summer at 15-25 lb/acre. Attracts tarnished plant bug, which can damage nearby crops when alfalfa is mowed.

Canada field pea is a cool-season, frost tolerant crop used to provide spring or fall nitrogen fixation and ground cover, usually in combination with a grass nurse crop such as oats or triticale (a rye/wheat hybrid). Plant as early as possible in the spring, on well-limed, moist soils, at a rate of about 100-200 lb/acre. Soil-seed contact is important, so cover seeds well after broadcasting or drill several inches deep. Incorporate at flowering, 5-8 weeks after planting.

Cowpea is a warm-season, traditionally southern cash crop that can be grown as a summer cover crop that provides nitrogen fixation and some weed suppression during the warmest summer months in New England. Cowpeas are very frost sensitive. Forage cultivars may be better cover crops as they produce more biomass than horticultural varieties. Drill at 30 or 40 lb/acre, use rates twice as high if broadcasting. Good soil seed contact and well-drained soils are needed to establish strong stands. Nitrogen fixation rates can be substantial. Use cowpea/peanut type inoculant.

Soybeans are sensitive to frost and drought, but when grown as a cover crop, late-season effect of drought on pod fill is not of concern. Short-season varieties that set seed early are probably not best for extended cover cropping, since foliage begins to decline once pods are near maturity. Care should be taken to avoid damaging seed when handling, and planting must place seed deep enough and firmly enough into soil to assure that seed is in contact with enough moisture to result in good germination. Inoculate with soybean type Rhizobium.


Assista o vídeo: ADUBAÇÃO VERDE 21o Conversando AGROECOLOGIA online Grupo GUAYI


Artigo Anterior

Meu jardim: um paraíso para peixes e flora

Próximo Artigo

Nematóide do nó da raiz em beterrabas: como tratar o nematoide do nó da raiz em beterrabas