Ácido: definição e significado


ÁCIDO

ÁCIDO

Ácido é definido como qualquer coisa que tenha uma reação ácida, ou seja, tem um pH inferior a 7.
De um modo geral, qualquer coisa que tenha um sabor acre, como limão ou vinagre, é considerada ácida.

Dicionário botânico de A a Z.

A - B -C -D -E -F -G -H -I -J -K -L -M -N -O -P -Q -R -S -T -U -V -W -X -Y - Z


Ácidos e bases: definição de Arrhenius, de Brᴓnsted e Lowry e de Lewis

Todos os dias entramos em contato com muitos ácidos e bases, muitas vezes mesmo sem perceber. Sabemos que o sabor do limão é ácido e que para combater oacidez substâncias estomacais são usadas básico, como o bicarbonato de sódio (NaHCO3) Além disso, sabemos que a amônia (NH3), uma base, com ácido muriático (HCl), pois sua reação imediata libera gases tóxicos perigosos.

Ácidos e bases, de fato, podem reagir vigorosamente entre si, liberando muita energia.

No entanto, é necessário definir o que é um ácido e o que é uma base em termos genéricos, sem ter que usar a escala de pH como referência. Várias propostas foram feitas para ser capaz de identificar rapidamente ácidos e bases, muitas vezes lendo apenas a fórmula bruta da molécula.

1) Teoria de Arrhenius:

  • uma ácido é uma substância capaz de liberar íons H + hidrogênio em solução aquosa
  • uma base é uma substância capaz de liberar íons OH - hidróxido em solução aquosa.

Como o íon H + é um átomo de hidrogênio que perdeu um elétron, podemos dizer que o ácido é capaz de liberar um próton. Isso é possível porque o elétron "perdido" na verdade permaneceu no átomo, que ligou o hidrogênio. Esta molécula estará lá base conjugada ácido e, obviamente, terá uma carga negativa. Da mesma forma, uma base livre em solução de ânion OH -, tornando-se oácido conjugado.

HCl (ácido clorídrico / ácido muriático) H + (íon hidrogênio) + Cl - (base conjugada)

Ca (OH)2 (hidróxido de cálcio) Ca + (ácido conjugado) + 2OH - (íon hidróxido)

2) Teoria de Brᴓnsted e Lowry:

  • uma ácido é uma molécula capaz de doar prótons
  • uma base é uma molécula capaz de aceitar prótons.

Essa definição consegue explicar o comportamento de moléculas, como a amônia. Esta substância tem características básicas, embora obviamente não seja capaz de liberar OH -.

A amônia é capaz de aceitar um próton graças ao dupleto de elétrons não ligado presente no átomo de nitrogênio na conformação sp 3. É assim que é obtido íon amônio, seu ácido conjugado.

Teoria de Lewis pode ser resumido da seguinte forma:

  • uma ácido é uma espécie capaz aceitar um par de elétrons.
  • uma base é uma espécie capaz desistir de um par de elétrons.

Isso permite que moléculas com orbitais sem elétrons sejam ácidas. Eles são, de fato, capazes de aceitar o dupleto de elétrons do íon hidreto (H -) ou hidróxido dentro do "espaço vazio" em sua configuração eletrônica externa:

BH3 +: H -BH4 - (íon tetrahidroborato)

Na + +: OH - → NaOH (hidróxido de sódio / soda cáustica)

Esta última reação, no entanto, apesar de ser teoricamente possível, isso nunca vai acontecer. Isso ocorre porque Na + é um ácido fraco, isto é, tem uma tendência baixa para se ligar a OH. A base conjugada, ou soda cáustica (NaOH), é ao invés uma base forte, capaz de se dissociar facilmente, deslocando a reação acima na direção oposta. Da mesma forma HCl é um ácido forte, enquanto o íon Cl - é um base fraca.
Isso é verdade porque, quando dissolvemos o sal de cozinha (NaCl) em água, os íons liberados não formam ácido clorídrico e soda cáustica, que, de outra forma, também dissolveriam o pote.


Ácidos e bases: propriedades e características

Descobrindo as duas classes principais de compostos químicos, ácidos e bases: os estudos de Faraday, a teoria de Bronsted-Lowry e as análises de Gilbert Lewis

Ácidos e bases: propriedades e características - Fonte: istock

ÁCIDOS E BASES: PROPRIEDADES E CARACTERÍSTICAS

Ácidos e bases pertencem a duas classes de compostos químicos que exibem algumas propriedades completamente opostas. O ácidos têm sabor predominantemente azedo, dão aos papéis de tornassol uma cor vermelha e em contato com quase todos os metais reagem liberando hidrogênio no estado gasoso bases têm gosto amargo, dão ao tornassol uma tonalidade azulada e são viscosos ao toque. Ao misturar soluções aquosas de um ácido e um base, desenvolve-se uma reação chamada neutralização, que tem a característica de proceder rapidamente produzindo sal e água. Por exemplo, se deixarmos o ácido clorídrico e o hidróxido de sódio reagirem juntos, teremos uma reação de neutralização típica:

Ácido clorídrico + hidróxido de sódio ⇄ água + cloreto de sódio.

ÁCIDOS E BASES: CARACTERÍSTICAS

Michael Faraday - Fonte: ansa

Estudos iniciais - Michael Faraday, um físico inglês, foi o primeiro a classificar o características de ácidos e bases, descobrindo que esses compostos são eletrólitos, ou substâncias que se dissolvem em solução aquosa, liberam partículas carregadas (íons), permitindo a condução de corrente elétrica. O químico sueco Svante Arrhenius (e depois dele também o químico alemão Wilhelm Ostwald) sugeriu um critério de classificação para esses tipos de substâncias, formulando uma teoria chamada precisamente Teoria de Arrhenius: com base neste método, o ácido é definido como um composto que, em solução aquosa, libera íons H +, e básico, um composto que, nas mesmas condições, libera íons OH- hidróxido.

Teoria de Arrhenius limitada Contudo a definição de ácidos e bases para espécies que necessariamente continham respectivamente hidrogênio -H e hidroxilas -OH, e só poderiam ser aplicadas aos compostos que foram dissolvidos em soluções aquosas. No entanto, algumas substâncias mostraram características de ácidos e bases mesmo que não tenham sido dissolvidos em água e não contenham H + e OH.

ÁCIDOS E BASES: BRONZEADOS

O químico dinamarquês Johannes Brønsted e, independentemente, o químico britânico Thomas Lowry refutaram uma nova teoria que aplicava a classificação de Arrhenius também a soluções não aquosas, definindo substâncias com tendência a doar prótons (íons hidrogênio H +) ácidas e aquelas com tendência a adquiri-los básicas. De acordo com a definição de Brønsted-Lowry, um ácido se transforma na base correspondente, produzindo um próton de forma semelhante, uma base que adquire um próton se transforma no ácido conjugado. "Forte" é definido como um ácido que rapidamente doa todos os prótons para uma base, de modo que um ácido é mais forte quanto mais fraca for sua base conjugada.

Considere a reação de equilíbrio entre um ácido genérico (1) e uma base genérica (2):

Ácido (1) + Base (2) ⇄ Ácido (2) + Base (1)

A reação real prossegue principalmente na direção que leva à formação do ácido e da base mais fracos por exemplo, a reação de HCl em um ambiente aquoso

ele procede principalmente da esquerda para a direita (equilíbrio deslocado para a direita), porque, enquanto o ácido clorídrico é forte, os íons Cl- e H3O + (ácido conjugado de H2O) constituem uma base fraca e um ácido, respectivamente.

Pelo contrário, na reação

o equilíbrio é deslocado para a esquerda porque H2O é uma base mais fraca que F- e HF é um ácido mais fraco (em água) que H3O +. Lá Teoria de Brønsted-Lowry fornece uma explicação do comportamento anfotérico da água: é uma base na presença de um ácido mais forte (por exemplo, HCl) que, portanto, tem uma maior tendência para se dissociar e um ácido na reação com uma base mais forte (por exemplo, amônia).

ÁCIDOS E BASES: FORTES E FRACOS

A medida da força de um ácido e de uma base. Lá força de um ácido ou base pode ser analisado medindo a concentração de íons H3O + e OH-, que terão sido produzidos em soluções aquosas ácidas ou básicas, respectivamente, por transferência ou subtração de prótons. Com base neste critério, foram elaboradas duas escalas, conhecidas como pH e pOH, cujos valores correspondem respectivamente ao logaritmo, de sinal alterado, da concentração do íon oxônio e do íon hidróxido em solução aquosa:

Água pura corresponde a um pH igual a 7,0, a adição de um ácido produz um aumento na concentração do íon oxônio [H3O +] e uma conseqüente redução no valor do pH que fornece uma medida da força do ácido em análise.

ÁCIDOS E BASES: LEWIS

A exposição mais recente da teoria dos ácidos e bases, de Gilbert Newton Lewis, define ácidos como substâncias capazes de "aceitar" e bases como capazes de "doar" um par de elétrons para formar uma ligação covalente. Este esquema de interpretação tem a vantagem de manter a validade mesmo na presença de outros solventes além da água, e não implica na formação de sais ou pares de conjugados ácido-base nas reações de neutralização. De acordo com a exposição de Lewis, a amônia é classificada como uma base porque pode doar um dupleto de elétrons ao trifluoroborano (portanto classificado como ácido) para formar um aduto ácido-base: H3N: + BF3⇄H3N-BF3.

Leia também:

As definições de ácido e base

Esquema resumido dos conceitos de ácido e base de Lewis, Bronsted-Lowry, Arrhenius. (arquivo .doc, 3 páginas) ... Continue

Química

Dissociação iônica de água, pH, ácidos e bases, força de ácidos e bases, neutralização, teoria dos indicadores, sistemas tampão, hidrólise ... Continue

Ácidos e bases: definição

breve resumo esquemático das três teorias de ácidos e bases, soluções de pH e tampão, definição de ácidos e bases de Lewis… Continue

Notas sobre soluções eletrolíticas

Notas sobre soluções eletrolíticas (documento do Word, 1 página) ... Continue

Definição de substâncias ácidas, básicas e PH

Definição e análise de substâncias ácidas e básicas e de PH em química… Continue


Avaliação do equilíbrio ácido-base (EAB)

Para a avaliação do EAB existe uma série de nomogramas através dos quais é possível, a partir dos valores de HCO3- e pCO2, estabelecer se o sujeito está em condições metabólicas normais, ou em acidose ou alcalose, metabólica ou respiratória .

Acidose respiratória

Balanço de Ácido Básico: os mecanismos de compensação instituídos pelo corpo humano.

A acidose respiratória é decorrente de alterações na ventilação pulmonar em decorrência da redução da eliminação de CO2 que aumenta no sangue. A reação do sistema tampão HCO3- muda para a produção de HCO3-, que por sua vez aumenta no sangue (embora menos do que CO2). Com isso, a relação HCO3- / CO2 e, consequentemente, o valor do pH arterial diminuem. Também na acidose respiratória existe a regra da compensação esperada: em particular, para cada aumento de 10 mmHg na pCO2, ocorre um aumento de 1 mEq / L na concentração de HCO3-. Portanto, se em condições normais, as concentrações de HCO3- e CO2 são, respectivamente:

40 mmHg CO2 24 mEq / L de HCO3-

Esperamos que um quadro de acidose respiratória forneça os seguintes resultados:

pH

A compensação espontânea implementada pelo corpo humano.

Como você pode ver, as três condições são atendidas: ambos os elementos do casal aumentaram o pH indica acidose a regra de compensação é respeitada. Na verdade, o pCO2 aumentou em 10 mmHg e o HCO3- aumentou em 1 mEq / L. Portanto, é um quadro compatível com acidose respiratória pura, e não com um distúrbio misto. De resto, o laboratório não contribui muito para o diagnóstico da acidose respiratória, as causas (neurológicas, mecânicas, etc.) que determinam a acidose são definidas clinicamente.

Caso clínico 1

Paciente masculino de 70 kg desenvolve obstrução aguda das vias aéreas durante a anestesia.

  • PH = 7,32
  • PaCO2 = 70 mmHg
  • HCO3- = 27 mmol / l.
  • Acidose respiratória com boa compensação metabólica.

Alcalose respiratória.

A alcalose respiratória é devida ao aumento da eliminação de CO2 pela respiração, que causa uma mudança na reação do sistema tampão HCO3 (que por sua vez diminui, embora em menor extensão do que o CO2). Portanto, a relação HCO3- / CO2 e o valor do pH arterial estão aumentados.

Também para reconhecer a alcalose respiratória, aplica-se a regra de compensação esperada: em particular, para cada redução de 10 mmHg em pCO2, é esperada uma redução de 2 mEq / L na concentração de HCO3. HCO3- e CO2 são, respectivamente:

    • 24 mEq / L diHCO3- 40 mmHg CO2


esperamos que um quadro de alcalose respiratória forneça os seguintes resultados:

    • pH> 7,4 20 mmHg CO2 20 mEq / L de HCO3-.

Como pode ser visto, as três condições são atendidas: ambos os elementos do casal aumentaram o pH indica alcalose a regra de compensação é respeitada. Na verdade, o pCO2 é reduzido em 20 mmHg e, portanto, a concentração de HCO3- é reduzida em 4 mEq / L. Portanto, é um quadro compatível com alcalose respiratória pura, e não com um distúrbio misto.

Caso clínico 2

Mulher em PS para hiperpirexia, disúria, desidratação, hipotensão, vômito, bexiga neurológica.

  • PH = 7,55
  • PaCO2 = 23
  • HCO3 = 20
  • PaO2 = 98
  • NA + = 140
  • K + = 3,0
  • CL = 98.
  • Alcalose respiratória na sepse.

Sem entrar em detalhes sobre todas as causas da acidose metabólica, podemos dizer que a acidose metabólica se deve a:

    1. produção excessiva de ácidos (acidose láctica, cetoacidose)
    2. eliminação reduzida de ácidos pelo rim, geralmente devido ao comprometimento da filtração glomerular
    3. perda excessiva de bicarbonato (pelas fezes, devido à diarreia, ou na urina devido à incapacidade dos túbulos de implementar os mecanismos de recuperação do bicarbonato).

O excesso de H + faz com que a reação do tampão de bicarbonato mude (portanto, o bicarbonato diminui muito), o excesso de CO2 é produzido, mas a rápida ativação da compensação respiratória (hiperventilação) reduz rapidamente os níveis de CO2 (mesmo se a redução for menor em comparação com o redução de bicarbonato).

A regra de compensação esperada para a acidose metabólica prevê que, para cada mEq de bicarbonato que diminui, há uma diminuição de 1,2 mmHg na pCO2. Portanto, se em condições normais, as concentrações de bicarbonato e CO2 são, respectivamente:

    • 24 mEq / L de HCO3- 40 mmHg CO2

esperamos que um quadro de acidose metabólica forneça os seguintes resultados:

    • pH 7,4 34 mEq / L de HCO3- 47 mmHg CO2.


Como pode ser visto, as três condições são atendidas: ambos os elementos do casal aumentaram o pH indica alcalose a regra de compensação é respeitada. Na verdade, a concentração de HCO3- aumentou em 10 mEq / L e o pCO2 aumentou em 7 mmHg. Portanto, é um quadro compatível com alcalose metabólica pura, e não com um distúrbio misto.

Caso clínico 4

Homem de 78 anos em confusão e desidratação grave, insuficiência cardíaca crônica, PA 90/70 mmHg, GCS 13.

  • PH = 7,52
  • PaCO2 = 48
  • HCO3 = 38
  • PO2 = 75
  • NA + = 140
  • K + = 2,2.

Alcalose metabólica devido ao uso excessivo de diuréticos.

Caso clínico 5

Mulher de 68 anos chega ao pronto-socorro porque sofre de diarreia há cerca de três dias, com muitas altas por dia. O paciente recentemente foi submetido a terapia com antibióticos para pneumonia do lado direito, agora resolvida.

  • PH 7,29
  • PaCO² 28mmHg
  • HCO³¯ 14 mEq / L
  • Na 141 mEq / L
  • K 3.O mEq / L
  • Cl 115mEq / L.

Resposta: Acidose metabólica simples com hipercloremia.

Caso clínico 6

Um homem de 73 anos com doença pulmonar obstrutiva crônica e insuficiência cardíaca direita chega ao pronto-socorro por dispneia e edema de membros inferiores. Terapia em casa: teofilina, esteróides inalados e diuréticos.

  • PH 7,40
  • PaC02 67 mmHg
  • HCO³¯ 40 mEq / l
  • PaO2 48 mmHg.
  • Na 140 K 3,5
  • Cl 90 mEq / l.
  • Acidose respiratória e alcalose metabólica concomitante.

Caso clínico 7

Homem de 81 anos com história de cardiopatia isquêmica chega ao pronto-socorro por edema agudo de pulmão. No exame clínico, sinais claros de fadiga respiratória. PA 180/110 mmHg Fc 110 b / m Fr 38 a / m.

  • PH 7,15
  • PaCO²mmHg 50
  • HCO³¯ 17mEq / L
  • PaO2 28 mmHg
  • Eletrólitos: Na 140 mEq / L K 5,0 mEq / L Cl 103 mEq / L.
  • Acidose respiratória com acidose metabólica

Em conclusão, podemos dizer que a avaliação clínica criteriosa do paciente e a análise dos dados de acordo com o caminho descrito permitem com certa facilidade evidenciar os distúrbios do equilíbrio ácido-básico. Em última instância, a avaliação do equilíbrio ácido-base é uma competência transversal em todas as especialidades médicas, portanto, não deve ser negligenciada ou deixada para os "especialistas", sempre há espaço e necessidade de aprofundamento mas é importante manter lembrando que para uma avaliação do EAB há três elementos fundamentais a se considerar: o pH, o pCO2 e os bicarbonatos, a avaliação dessas três variáveis ​​de acordo com as regras descritas e a avaliação concomitante do quadro clínico do paciente, irão nortear o processo diagnóstico e terapêutico.


A dosagem de uricemia exige que o paciente jejue por pelo menos 8 a 10 horas antes da coleta, mas é possível beber pequenas quantidades de água. Antes do exame, você deve ficar em pé por pelo menos 30 minutos.

Uricemia alta

A hiperuricemia pode ser causada por um aumento na produção de ácido úrico do corpo e / ou pela incapacidade dos rins de eliminá-lo o suficiente. O aumento da produção pode ser causado por um aumento na morte celular (como ocorre ao se submeter a certos tratamentos contra o câncer) ou por uma tendência hereditária à superprodução de ácido úrico.

A redução da excreção de ácido úrico é o resultado da função renal prejudicada.
Câncer metastático, mieloma múltiplo e leucemia podem levar ao aumento da produção de ácido úrico. Doença renal crônica, acidose, toxemia da gravidez e alcoolismo podem levar à diminuição da excreção.
Um aumento na uricemia sanguínea também pode ser devido a uma dieta particularmente rica em carne vermelha, caça e vísceras.
Existem também alguns defeitos genéticos congênitos que afetam o metabolismo das purinas. Em muitos casos, a causa do excesso de ácido úrico permanece desconhecida.
Concentrações de ácido úrico mais altas do que o normal podem levar à formação de cristais nas articulações, o que pode levar à inflamação das articulações e à dor típica da gota. O ácido úrico também pode formar pedras que podem causar danos aos rins.

Uricemia baixa

Níveis baixos de ácido úrico são encontrados com menos frequência do que níveis altos e raramente são considerados motivo de preocupação. Os níveis baixos de ácido úrico no sangue podem estar associados a certos tipos de doença hepática ou renal, síndrome de Fanconi, exposição a substâncias tóxicas e doença de Wilson.


Dicionário italiano

Dicionário online retirado de:

Ótimo dicionário italiano
de GABRIELLI ALDO
Dicionário da Língua Italiana

  • amargamente
  • azedo
  • acidez
  • acidificar
  • acidificação
  • acidimetria
  • acidímetro
  • acidez
  • jazz ácido
  • música ácida
  • ácido
  • acidofilia
  • acidófilo
  • acidólise
  • acidose
  • rocha ácida
  • acidular
  • acidulação
  • azedo
  • acidez
  • acie

3 CHIM que tem as características dos ácidos: reação ácida banheiro a.

De a até o z

Usamos cookies de perfil, inclusive de terceiros, para melhorar a navegação, fornecer serviços e oferecer publicidade de acordo com suas preferências. Se quiser saber mais ou optar por excluir todos ou alguns cookies, clique aqui. Ao fechar este banner ou continuar a navegar, você concorda com o uso de cookies.


Vídeo: Como Interpretar a Gasometria Arterial - Acidose e Alcalose


Artigo Anterior

Lei 431 de 1985 - Lei Galasso,

Próximo Artigo

Gerânio